Arquivo da tag: Economia

Moderna Gestão Financeira

Rápidas mutações na economia, empresas mais sensíveis a alterações de humor dos mercados globais, assim como o uso intensivos de novas tecnologias de informações e comunicações, impactam diretamente na gestão das empresas e exigem novas competências dos gestores financeiros das organizações modernas.

Para manterem-se competitivas, as empresas precisam de pessoas cada vez mais preparadas (ou dispostas a se preparar), para enfrentar novos e constantes desafios de gestão que incluem a identificação precisa de atividades geradoras de resultado nas organizações. Uma vez identificadas, devemos focas os esforços corporativos  na execução dessas atividades com excelência.

A Deloitte, publicou no jornal Valor Econômico de hoje, uma coluna com as funções e os pilares que sustentam a moderna gestão financeira nas empresas.

Veja abaixo:

Mandala das Finanças

Funções Técnicas de Finanças

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Economia

Pra terminar bem a semana!

Boa Tarde!
Notícias pra terminar bem a semana:
Mostra que o setor de Papel e Celulose está bem e confiante no futuro.
Temos ainda o projeto da Jari que iniciou sua produção recentemente.
Oportunidades neste setor da economia!
Mostra nossa força e diversidade. Enquanto alguns setores estão sofrendo fortes impactos da crise, alguns setores estão indo bem e o pais, como um todo, tem credibilidade.
Nem tudo está ruim!
Combinado com:
Mais um segmento que não está sofrendo tanto.
Mais oportunidades!!!
Aconteceu no meu trabalho…
A mais ou menos 1 mês, o Superintendente de um Fundo que trabalha conosco, me perguntou qual nossa expectativa para este ano. Qual o cenário macroeconomico previsto para este ano?
Eu respondi que estamos estáveis mas que as expectativas são de retração na economia.
Conforme observamos em jornais e noticiários, uma retração em torno de 1,5% do PIB
Ele me questionou:
 – Vocês dependem de 1,5% pra gerar resultado?
Eu, obviamente disse que não, que precisamos de muito mais.
Foi então que ele me disse:
 – 1,5% não é nada. Em anos de crescimento econômico, tem empresas crescendo e tem empresas quebrando. Em anos de crise, tem empresas quebrando e tem empresas crescendo. Mais do que o cenário externo, temos que gerar o resultado internamente. Este ano, temos que focar nossas energias no trabalho pra superar essa crise e estar prontos para crescer conforme retomamos o crescimento macroeconômico.
Acho que ele está certo!
Ele está vendo o “copo meio cheio”.
Te desafio a fazer o mesmo!
Bom final de semana!

Deixe um comentário

Arquivado em Economia

O que você faz com os seus sonhos?

Deixe um comentário

Arquivado em Economia

Taxa Selic

O que é taxa Selic ?

Deixe um comentário

Arquivado em Economia

Mercado eleva projeção para a Selic em 2015

SÃO PAULO  –  Os analistas do mercado financeiro reduziram ligeiramente suas estimativas para a inflação neste ano e mantiveram a projeção para 2015. Eles veem, contudo, um aumento maior dos juros básicos da economia no ano que vem, de acordo com o boletim Focus, do Banco Central. A autoridade monetária colhe projeções entre cerca de cem instituições.

Já analistas do grupo Top 5 – os que mais acertam as projeções – acreditam em aperto maior dos juros já neste ano e também no próximo.

A mediana do mercado para a Selic ao fim deste ano seguiu em 11,0%, mas subiu de 11,50% para 11,88% em 2015. A taxa está, atualmente, em 10,50% ao ano. Já a mediana para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) cedeu de 6,02% para 6% em 2014. A projeção para o IPCA de janeiro caiu de 0,75% para 0,72%. Para 2015, a aposta seguiu em 5,70%. A projeção em 12 meses passou de 5,99% para 6,00%.

O grupo Top 5, por sua vez, elevou sua estimativa para a taxa básica de juros de 11,50% para 11,75% em 2014, e de 11,50% para 12,25% em 2015. As estimativas desse grupo para o IPCA continuaram as mesmas, de 6,20% para este ano e de 6% para 2015.

Estimativas para o câmbio também foram ajustadas. O mercado em geral agora espera um real mais desvalorizado, em R$ 2,47, no fim deste ano. A projeção anterior era de R$ 2,45. O mesmo ocorre para 2015, para quando a taxa foi ajustada de R$ 2,50 para R$ 2,51.

Atividade

As projeções do mercado para o Produto Interno Bruto (PIB) seguiram as mesmas, de crescimento de 1,91% neste ano e de 2,20% em 2015. A estimativa para o aumento da produção industrial de 2014 foi ajustada para baixo, contudo, de 2,20% para 2,00%. Em 2015, o mercado vê um desempenho melhor e elevou a estimativa de 2,95% para 3,0%.

Resultado fiscal

Os analistas do mercado financeiro elevaram de 1,4% para 1,5% a estimativa para o superávit primário do setor público consolidado em 2014. O critério abrange Estados, municípios, BC, estatais e governo central.

Em 2013, o superávit primário foi de 1,90% do PIB, segundo informou o BC na sexta-feira. Foi o menor da série, iniciada em novembro de 2002.

O governo deve divulgar até o fim deste mês qual será a meta da economia para pagar juros da dívida neste ano. O percentual a ser definido ganhou ainda mais relevância nas últimas semanas diante das turbulências externas que atingem os países emergentes, que elevaram as cobranças por austeridade fiscal do governo Dilma Rousseff.

Estimativas de mercado – Boletim Focus

Fonte: Banco Central
Indicador 2014 2015
IPCA 6,00% 5,70%
IGP-M 5,90% 5,5%
Dólar (fim de período) R$ 2,47 R$ 2,51
PIB 1,91% 2,20%
Selic (fim de período) 11% 11,88%
     

(Ana Conceição | Valor)

© 2000 – 2014. Todos os direitos reservados ao Valor Econômico S.A. . Verifique nossos Termos de Uso em http://www.valor.com.br/termos-de-uso. Este material não pode ser publicado, reescrito, redistribuído ou transmitido por broadcast sem autorização do Valor Econômico. 

Leia mais em:

http://www.valor.com.br/brasil/3417082/mercado-eleva-projecao-para-selic-em-2015#ixzz2sMGAFNgI

2 Comentários

Arquivado em Economia

Programa de Estágio 2014 do Google

Estão abertas as inscrições para o Programa de Estágio do Google, mais conhecido como: “Google Business Internship Program Brazil 2014″.

O estágio será no escritório de São Paulo para estudantes com previsão de graduação entre dezembro de 2014 e janeiro de 2015.

Programa de Estágio no Google para 2014

 

requisito primário é ter excelentes habilidades de comunicação e escrita, tanto em inglês como em português. Os selecionados irão trabalhar nas áreas de vendas de anúncios, estratégia de negócios, recursos humanos, jurídica, marketing, mídia, parcerias, produtos e finanças.

Deixe um comentário

Arquivado em Economia

Aumento da Taxa Selic

 

Ontem, 28/08/2013, o Comitê de Política Monetária (Copom) decidiu elevar a Selic em 0,5 ponto porcentual, para 9% ao ano. Com esse movimento, começa a se formar no mercado um consenso em torno de mais uma alta de 0,5 ponto percentual em outubro. Em seguida, espera-se outra elevação, de 0,5 ponto percentual ou de 0,25 ponto percentual, em novembro. Tal movimento levaria a taxa básica de juros a terminar o ano entre 9,75% ao ano e 10% ao ano.

Aumento de taxa básica de juros é um estímulo a poupança e consequentemente, desestímulo ao consumo. Com essas medidas o governo pretende conter o aumento da inflação através de um aperto monetário. Se reduzir o consumo, somos forçados a reduzir a produção e corremos o risco de aumento de desemprego. Consequentemente haverá redução da renda e isso leva a uma espiral de queda, pois com menos dinheiro disponível, consumimos menos e o ciclo se repete até que essa inércia de queda sofra um novo choque para mudar de direção.

O governo, infelizmente se limita a utilizar poucos instrumentos monetários e pequenas intervenções tributárias, no caso das reduções temporárias de IPI em alguns produtos específicos, para tentar colocar um rumo na economia.

A correção de direção deveria ser bem mais profunda e passar por uma revisão completa dos gastos do governo a fim de gerar gastos de melhor qualidade que realmente estimulem a economia na direção do crescimento consistente e de longo prazo.

O que observamos no entanto são pequenos e tímidos estímulos, em áreas pontuais em movimentos de curta duração.

A economia precisa ser alimentada constantemente de estímulos com visão de longo prazo. Assim como nós precisamos nos alimentar frequentemente, várias vezes por dia, a economia brasileira precisa ser estimulada, para ter crescimentos vigorosos. Como o governo muda as regras com muita frequência, ao invés de gerar estímulos, essas mudanças geram insegurança.

Como as empresas podem tomar decisões de investimentos vultuosos, de longo prazo, sem uma segurança de que as regras permanecerão favoráveis e os estímulos constantes?

Essa discussão não é nova. Por isso foram criadas as agência reguladoras: ANEEL, ANATEL, ANTT, ANAC, ANVISA, ANP, ANCINE e todas as outras. Mas elas realmente geram a segurança necessária?

Passou da hora dos nossos governantes e autoridades ministeriais criarem um pacote conjunto de estímulos que envolva todo o conjunto da economia. Uma visão global é urgente e imprescindível. Sem isso, vamos continuar como um cachorro sem direção, correndo atras do próprio rabo.

O momento é de atenção.

1 comentário

Arquivado em Economia